CHAMADA NÚMERO 19

Postado por: Rafael Viana

Organizadores: Dr .Cristiano Mello de Oliveira (SEED-PR) e Dra. Geovana Quinalha (UFMS).

DOSSÍÊ TEMÁTICO: Mercado Editorial de romances históricos, interesse do público leitor por romances históricos e as relações conflituosas entre a Literatura e a História.

TEXTO DA CHAMADA: Nas duas primeiras décadas do século XXI, tem-se notado um gosto comum entre os diversos tipos de leitores: a busca por compreender a História do Brasil através de romances históricos e livros de divulgadores de fatos recentes ou não. Calculamos que esta predileção de leitura por meio deste subgênero literário também se relaciona com a compra e a aquisição de artefatos produzidos pela chamada Indústria Cultural, cuja proposta denominamos de moda nostálgica. Por alusão em uma matéria intitulada “O romance histórico”, publicada no Jornal de Letras, em agosto de 2015, o autor João da Silva de Jesus, ao ser questionado sobre o interesse do público leitor sentencia: “Existe, sim, um natural fascínio do leitor pelo romance histórico. A História ensina-nos que somos e por que somos e como somos. O maior problema desta conjectura é tentar romper o paradigma obsoleto da crítica vigente (tida como uma espécie de chavão reducionista), o qual estabelece que muitos leitores de romances históricos procuram apenas fugir dos problemas do cotidiano, designado pelo vocábulo “escapismo”. Como balizamento teórico, cada qual ao seu modo, os autores brasileiros e estrangeiros: HUYSSEN (2000), SARLO (2010), BURKE (1994), FLECK (2017) dentre outros, podem ser explorados e trabalhados. O presente dossiê pretende levantar essa discussão problemática, interrogando e explorando a tríade: a) Mercado Editorial de romances históricos; b) interesse do público leitor por romances históricos; c) as relações conflituosas entre a Literatura e a História. Serão bem-vindos artigos que abordem obras, autores e temas dentro desta temática.

Prazo limite para envio dos originais: 20 de JUNHO de 2019

Submissão dos artigos: As diretrizes para os pesquisadores e as normas para submissão e publicação se encontram na página online da revista, que pode ser acessada pelos links abaixo.

Compartilhe:
Veja também